Carl Orff: Carmina Burana

@eumigo comigo mesmo

Algumas coisas na vida (quem sabe na morte também?) são fantásticas, mas tem uma em especial que me chama a atenção demais: ficar emocionado ouvindo uma música.

Como podemos nos emocionar com algo tão simples quanto ouvir? Frequentemente somos bombaerdeados por todos os nossos sentidos, e a visão em especial nos domina. Mas ouvir algo especial pode nos fazer sorrir, ou chorar, em questão de segundos.

Falo disso pois tenho ouvido, com muita frequência, uma obra fantástica chamada: Carmina Burana. você certamente já ouviu trechos desta obra, em filmes, ou mesmo em novelas (admita, você já perdeu tempo vendo novelas), e a obra completa é simplesmente SUBLIME.

Aqui no VocêTubo você pode ouvir a obra completa, em boa qualidade.

Das coisas que mais me surpreendem, ficam a capacidade do regente de conduzir todos num ritmo alucinante e ritmado que serve de exemplo para qualquer corporação e empresa: você tem a capacidade de conduzir diferentes pessoas (e instrumentos) no mesmo ritmo?

Sobre a obra

Os carmina burana (do latim carmen,ìnis ‘canto, cantiga; e bura(m), em latim vulgar ‘pano grosseiro de lã’, geralmente escura; por metonímia, designa o hábito de frade ou freira feito com esse tecido) são textos poéticos contidos em um importante manuscrito do século XIII, o Codex Latinus Monacensis, encontrados durante a secularização de 1803, no convento de Benediktbeuern – a antiga Bura Sancti Benedicti, fundada por volta de 740 por São Bonifácio, nas proximidades de Bad Tölz, na Alta Baviera. O códex compreende 315 composições poéticas, em 112 folhas de pergaminho, decoradas com miniaturas. Atualmente o manuscrito encontra-se na Biblioteca Nacional de Munique.
Carl Orff, descendente de uma antiga família de eruditos e militares de Munique, teve acesso a esse códex de poesia medieval e arranjou alguns dos poemas em canções seculares para solistas e coro, “acompanhados de instrumentos e imagens mágicas”.

 

Capivarou!

Leave a Reply